Meu compromisso é com a emoção. Se não me emociona, se não me arrepia, eu não gravo! (Fafá de Belém)

"Por Que Cantar", música do Compositor, arranjador e Cantor: Hélio Braz, que generosamente a cedeu para a divulgação do projeto "fafadebelemarquivo.com.br". Obrigado, Hélio, o site se sente lisonjeado com sua presença aqui. 



"Não sei dizer o que é que me dá, quando de mim saio e ando ao Deus dará. Não sei dizer o que foi que me deu. Dentro de mim mora um anjo ou moro eu?" ("Duas" - Tite de Lemos/Sueli Costa)

Fafá de Belém - A Cantora das Multidões

"Aos 55 anos, Fafá de Belém mantém um alcance vocal excelente. Herdeira direta de Ângela Maria, tem nos arroubos dramáticos uma de suas principais características. Como boa cantora brasileira, a legitimidade de sua carreira vem do seu canto forte e sedutor, a despeito do carisma incontestável. 

Ao longo de quase quatro décadas gravou composições de Milton Nascimento, Tom Jobim, Sueli Costa, Cacaso, além dos compositores paraenses, como Paulo André e Ruy Barata. 

Nos anos 1980, com explosão do pop rock tupiniquim, viu sua carreira sair dos trilhos - assim como tantas outras intérpretes que, pressionadas (ou não) pelas gravadoras, passaram a buscar outros estilos, gravando música sertaneja, lambada e canções mais popularescas (quase sempre assinadas pela dupla Sullivan e Massadas), em busca de vendagens. 

Desde o ano 2000, quando lançou 'Maria de Fátima... ', Fafá vem olhando para o passado em discos como 'Piano & voz' (2002), 'Tanto mar' (2005), dedicado à obra de Chico Buarque, e 'Fafá de Belém ao vivo' (2007), primeiro DVD, de caráter retrospectivo, gravado no Theatro da Paz, em Belém do Pará. 

Descontado o registro audiovisual em que a maioria dos cantores revisa suas carreiras, percebe-se um resgate da fase inicial, mais ligada a MPB. Caminho percorrido por Simone, ainda na década de 1990, a partir de 'Café com leite', CD dedicado à obra de Martinho da Vila. Nem por isso a baiana livrou-se de vez de antigos rótulos e ainda hoje há quem torça o nariz para o seu trabalho.

Certamente os mais afoitos dirão que Fafá está acomodada, porém é necessário cuidado na abordagem desta questão.

O mercado musical passa por mudanças significativas desde o advento da internet e suas possibilidades aparentemente ilimitadas. A pirataria e os downloads minaram o poder das gravadoras. Uma nova cantora não precisa mais do aparato das multinacionais para construir uma carreira. Aliás, as multinacionais que ainda existem, tentam desesperadamente se adaptar às novidades tecnológicas, culturais e sociais, sob pena de desaparecerem de vez.

A outra face desta moeda é a rápida divulgação de novos talentos que alimentam a indústria, sempre ávida por novidades. A estrela de hoje certamente será eclipsada por outra amanhã. A "sensação do momento" é perseguida intensamente a cada dia.

A segmentação (em vários níveis) criou barreiras para a divulgação do trabalhado dos artistas, principalmente os já estabelecidos, com raras exceções. Há quanto tempo nem mesmo a incansável Maria Bethânia não emplaca um sucesso radiofônico que ultrapasse as fronteiras do eixo Rio - São Paulo? O que é considerado sucesso num momento em que o CD só tem algum valor para fãs conscientes que resistem às falsificações?

As divas de hoje, aquelas que realmente ainda produzem hits nacionais, estão em cima de trios elétricos, de onde descem amparadas por um batalhão de assessores de imprensa, produtores, publicitários e administradores: a música é veículo para ganhos econômicos, quando estes deveriam ser consequência de um bom trabalho.

Como exigir um novo sucesso de Fafá se as rádios mal tocam suas antigas canções? É negado às novas gerações o acesso ao repertório, que fica reduzido a poucas músicas. Isso dificulta ainda mais a renovação do próprio público e do repertório da artista: seus antigos sucessos nos shows serão garantia de casa cheia de antigos fãs.

Uma aura machista parece pairar sobre o rádio brasileiro. Cantores contemporâneos à nossa diva paraense - e até mesmo alguns que surgiram antes dela - têm suas produções executadas diariamente nas programações. Mesmo aqueles que perderam voz e viço durante a longa estrada.

Nesta mesma encruzilhada, encontram-se outras intérpretes brilhantes. Como se vê, não é fácil ser cantora no país das cantoras." 

(Texto de Júlio César Biar para o Portal "Rioecultura.com.br" publicado em 04/02/2011)

fafadebelemarquivo.com.br é um site biográfico e exclusivo para pesquisa. Se você deseja interagir com a artista ou com seus fãs acesse os links abaixo: