"Banho de Cheiro" (1978) - Fatos&Fotos

Era hora de fazer um novo disco e eu queria começar a ampliar os horizontes. Queria fazer um disco que começasse a me desregionalizar aos poucos, porque sempre acreditei em várias maneiras de se fazer música... Não queria ficar marcada como uma cantora regional, mas ao mesmo tempo não queria abandonar minhas raízes" (Fafá de Belém) 

No campo das aparências 1978 foi um ano maravilhoso para Fafá de Belém. Nesse ano, ela foi a artista recordista de capa de revistas e reportagens da música brasileira. Assinou um contrato com Rede Globo de televisão que teve validade de janeiro a junho de 1978, ela iria fazer parte do elenco do humorístico "Planeta dos Homens" exibido no horário nobre da emissora.

Acabara de ganhar o Disco de Ouro com "Água", lançado um ano antes (Outras fontes afirmam que o primeiro Disco de Ouro da cantora, foi em 1985, com o disco "Aprendizes da Esperança"), e rodava ainda o Brasil com a turnê do show homônimo. Ainda tão nova, Fafá já tinha o que muitos levariam anos para conseguir: Fama, dinheiro, sucesso..., mas em seu íntimo faltava-lhe algo, era uma espécie de vazio que lhe fazia buscar e se perder nessa busca. Na verdade, esse vazio só começaria a desaparecer em 1980, com a chegada de Mariana. Mas, a menina de Belém ainda não compreendia essas coisas e em 1978 se desligou do mundo e mergulhou de cabeça.

Tudo isso acontecia com uma menina de 21 anos, que há pouco mais de dois anos havia chegado de Belém. Independência financeira, fama, drogas e más companhias são uma péssima combinação. Essa ascensão meteórica era maravilhosa para a artista, mas traria efeitos colaterais, que Fafá levaria algum tempo para superar, como veremos mais adiante.


No dia 05 de Março de 1978, foi ao ar, no programa "Fantástico" da Rede Globo, o clipe da música "Sedução" (Milton Nascimento/Fernando Brant).

Assista ao vídeo:




Em 06 de março de 1978, estreou pela Rede Globo de Televisão a novela "Te Contei?". A música e já sucesso "Foi Assim" com Fafá de Belém entra na trilha sonora da novela. 

Abril de 1978. Fafá de Belém entra em estúdio para gravar "Banho de Cheiro".

Era 1978, segundo ano do Projeto Pixinguinha, e os shows passavam a atingir, além de capitais do Centro e do Sul, também do Norte e do Nordeste, incluindo nos roteiros de apresentações as cidades de Vitória, Salvador, Maceió, Recife, João Pessoa, Natal, Fortaleza e Belém. Mantiveram-se as pré-estreias no Rio de Janeiro, o horário consagrado de seis e meia e o preço popular: Cr$ 15,00. Algumas duplas se apresentavam com convidados especiais, outras lançavam novos nomes. A nona dupla escalada era formada por Fafá de Belém e Beto Guedes, e recebia o jovem cantor Lula Carvalho. Fafá, com menos de três anos de carreira, já era uma cantora exuberante, carismática, de sorriso aberto que, aos 21 anos, lançava o terceiro LP, Banho de Cheiro. Beto, mineiro de Montes Claros, era ligado ao trabalho de Milton Nascimento e havia participado do LP Clube da Esquina. Acabara de assinar contrato com a Odeon e lançar seu primeiro disco, "A Página do Relâmpago Elétrico".


Já na estreia, no Dulcina, em 25 de maio, a venda antecipada de ingresso e a ação dos cambistas tumultuaram o show. Desde 14 horas, começou a se formar fila na porta do teatro e, às 18h, a polícia chegou com um camburão, uma patrulha e nove homens fechando as portas da casa da Cinelândia. O tumulto e a enorme procura pelos ingressos prenunciavam o sucesso da dupla que viria a ser a campeã de audiência daquele ano, com 41.661 espectadores.
As apresentações seguiram para São Paulo, de 29 de maio a 2 de junho, no teatro Pixinguinha; em Curitiba, no teatro Guaíra, de 5 a 9 de junho; em Porto Alegre, no Teatro da Reitoria, de 12 a 16 de junho, e em Belo Horizonte, no Teatro Palácio das Artes, de 19 a 23 de junho. Já em São Paulo, os artistas, por uma semana, lotaram os 1.200 lugares do teatro e fizeram mais de três mil pessoas voltarem para casa sem conseguir entrar. Em Porto Alegre, o jornal Zero Hora, de 16 de junho de 1978, contava que durante toda a semana mais de quatro horas antes do espetáculo já havia filas para o show, com um detalhe inédito: pela primeira vez na história do Projeto, eram realizadas sessões extras. "Tem sido realmente uma loucura esse negócio do público, embora eu tenha começado já com um público grande. Não sei por que isso tudo, não tenho explicação. E cada vez mais a loucura aumenta. Em Curitiba, por exemplo, nosso show bateu todos os recordes de lotação da história do Teatro Guaíra. Nem Roberto Carlos conseguiu isso", dizia Fafá ao periódico.
O espetáculo teve direção de Paulinho Lima que, desde 1969, trabalhava como produtor de discos e shows. Acompanhando os cantores, estavam o grupo formado por Flávio Venturini (teclados), Chiquito Braga (guitarra e violão), Luiz Alves (contrabaixo), Raul Mascarenhas (flauta e sax), Bira da Silva (percussão) e Rubinho (bateria).  Texto de: Marina Gadelha / Foto: Funarte. (Fonte: https://www.funarte.gov.br/ ) 

Projeto Pixinguinha 1978 - Imprensa (Eixo Rio-São Paulo)

Abaixo dois vídeos. O primeiro relembra os primeiros anos do Projeto Pixinguinha. Do exitoso nascimento, em 1977, ao glorioso segundo ano, em que a censura passou a liberar obras antes proibidas, para felicidade das 30 duplas de cantores que percorreram o Brasil com o projeto, sendo assistidas por um total de mais de 500 mil espectadores. Tais números não se repetiriam no ano seguinte, por dificuldades financeiras para manter as caravanas do projeto no acelerado ritmo inicial. Um depoimento concedido à Funarte por Hermínio Bello de Carvalho em 1978 ajuda na contextualização das belas lembranças do ambicioso projeto.  No segundo vídeo, áudio inédito da apresentação de Fafá de Belém. Assista:

Músicas: 1) Naturalmente (João Donato/Caetano Veloso) / 2) Sedução (Milton Nascimento/Fernando Brant) / 3) Haragana (Quico Castro Neves) / 4) Raça (Milton Nascimento/Fernando Brant) / 5) Dentro de mim mora um anjo (Sueli Costa/Cacaso) / 6) Êmoriô (João Donato/Gilberto Gil). Músicos: Guitarra: Chiquito Braga / Percussão: Bira / Teclados: Flávio Venturini / Bateria: Rubinho / Flauta/Sax: Raul Mascarenhas/ Contra Baixo: Luiz Alves. 

No início do mês de junho de 1978, chegava às lojas "Banho de Cheiro" o 3º disco de Fafá de Belém. 

Fafá de Belém - "Banho de Cheiro" - 1978 - Capa

Fafá de Belém - "Banho de Cheiro" - 1978 Contracapa

Auxiliada pelo produtor Paulinho Lima, Fafá conseguiu montar um repertório mesclando compositores contemporâneos com os nomes já tradicionais no seu trabalho, como a dupla Paulo André e Ruy Barata que nesse trabalho compareceu com três músicas: "Carta Noturna", a faixa-título "Banho de Cheiro" e "Baiuca's Bar", homenagem ao emblemático "puteiro" de Belém onde foi gravado no ano seguinte o filme "Bye, Bye Brasil" de Cacá Diegues. Ganhou inéditas de Gonzaguinha (Gostoso), Beto Guedes (Tanto, em parceria com Ronaldo Bastos), com quem faria o "Projeto Pixinguinha 1978" pelo Brasil em várias capitais e bateram todos os recordes de público da história do festival. Francis Hime (A Noite, parceria com Renata Palotini), Walter Queiroz - o autor de "Filho da Bahia" (Estrelê, parceria com Paulo Levita) e da dupla Tunai e Sergio Natureza (Se eu Disser). "Lembro-me bem de quando o Tunai e o Sergio me mostraram essa canção, eles me mostraram também "As aparências enganam" e eu não quis gravar. Eu achava que eu era muito jovem pra dizer aqueles versos que a Elis tão lindamente veio a gravar depois". Recorda. Outros destaques deste álbum são as releituras do bolero "Tu, mi delírio" (César Portilho de La Luz) que Fafá conheceu através da gravação de Astrud Gilberto, e os hits "Dentro de Mim Mora Um Anjo" (Sueli Costa e Cacaso), que foi gravado três anos antes pela própria autora e passou despercebido, "Maria Solidária" (Milton Nascimento e Fernando Brant) e "Moça do Mar" (Octávio Burnier e Ivan Wrigg) cujo vídeo clipe produzido para o "Fantástico" da TV Globo, ganhou um importante prêmio internacional.

Encarte

Músicas, Músicos e Ficha Técnica

Divulgação

Compacto

Ouça o Disco:

No dia 06/07/1978, Fafá de Belém estreou o show, de lançamento do disco "Banho de Cheiro" na "Concha Acústica da UERJ" (RJ) . O espetáculo ficou em cartaz até o dia 09/07 daquele ano. 

No dia 16 de julho de 1978, o programa "Fantástico", Rede Globo, exibiu o vídeo clipe de Fafá de Belém cantando a música "Maria Solidária" (Milton Nascimento/Fernando Brant). O vídeo foi gravado ao vivo no show de lançamento do disco "Banho de Cheiro" realizado na Concha Acústica da UERJ. Depois deste show, Fafá viajou para os EUA e para a Europa.  Assista ao vídeo:

Em julho de 1978 estreou, na extinta TV Tupi, o Remake da novela "O Direito de Nascer". A música "Dentro de Mim Mora um Anjo" com Fafá de Belém, entra na trilha sonora da novela. Ouça:

Revista Status - Edição 48 - Julho de 1978.

Texto: Daniel Más

Fotos: Trípoli

Ao terminar a sua temporada na "Concha Acústica da UERJ", Fafá rumou para os E.U.A. Era a sua primeira viagem ao exterior. Segundo algumas fontes, além de reencontrar o amigo Peter Frampton, também participou com ele em um programa de TV americana. 

Fafá ficou poucos dias nos Estados Unidos, logo no início de agosto, rumou para Portugal. Dois motivos levaram Fafá para lá. O lançamento do seu disco "Água" e o sucesso da novela "Gabriela", que havia estreado com sucesso. Por conta do sucesso da novela, a música "Filho da Bahia", gravada por Fafá em 1975, também havia caído no gosto dos nossos patrícios. Por conta do sucesso, a Polygram resolveu fazer um compacto contendo além de "Filho da Bahia", outras músicas do disco "Água" e do recente "Banho de Cheiro". O problema foi que a Som Livre não liberou o fonograma. Fafá então, antes de viajar, gravou uma nova versão, versão esta, que foi amplamente divulgada em Portugal.

Abaixo, uma entrevista de Fafá de Belém para um canal da TV portuguesa e um vídeo com a versão de "Filho da Bahia" gravado pela Polygram. 

De volta para o Brasil e com a agenda lotada de shows, Fafá de Belém reaparece no dia 24/09/1978 no programa "Fantástico", Rede Globo, com o clip de "Moça do Mar" (Octávio Burnier/Ivan Wirgg). Algumas fontes afirmam que este clipe ganhou um importante prêmio internacional, mas não encontrei a informação de qual prêmio foi este. Assista ao vídeo: 

No dia 23/09/1978, Fafá de Belém foi internada no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. O motivo foi uma infecção glandular pélvica. A cantora fez uma cirurgia no dia 25/09. Precisou ficar 10 dias de repouso e por conta disso, foi obrigada a cancelar alguns shows já agendados, entre eles, o que ela faria no Teatro Municipal de Niterói. Enquanto a cantora se recuperava, no Norte/Nordeste corria o maldoso boato de que Fafá havia morrido!

Em 09 de Outubro de 1978, estreou na Rede Globo de Televisão, no horário das 18hr. a novela "A Sucessora". A música "Ontem ao Luar" gravada por Fafá de Belém, entra na trilha sonora do folhetim. Ouça:

De 18/10 a 05/11/1978, o show "Banho de Cheiro", com Fafá de Belém, ficou em cartaz no Teatro Pixinguinha (Atual Sesc Consolação, em São Paulo). No show, Fafá estava acompanhada por: Rubinho (Bateria), Chiquito Braga (Guitarra), Luiz Alves (Baixo), Bira da Silva (Percussão), Cristóvão Bastos (Piano) e Raul Mascarenhas (Sopro).

Foi uma temporada de muito sucesso, com casa lotada (1400 lugares) todos os dias. Um fato que marcou a temporada foi a presença de Milton Nascimento, que fez aniversário no dia 26/10 e foi prestigiar a Fafá. Após Fafá cantar "Milagre dos Peixes", Bituca ofereceu flores a cantora, que junto com a plateia, cantou os parabéns para o amigo.

Imprensa

As revistas de fofocas, começam a especular um suposto romance entre a cantora Fafá de Belém e o instrumentista Raul Mascarenhas (o que era verdade). Fafá e Raul (Foto), nem confirmavam e nem desmentiam.

O compositor paraense Paulo André Barata, autor dos hits "Pauapixuna", "Foi assim" entre outros, gravados por Fafá, gravou o seu primeiro LP "Nativo". Fafá de Belém foi convidada para participar do projeto e grava, em duo com Paulo André, a faixa título "Nativo". Ouça a música: 

Imprensa:




Em 13 de Novembro de 1978, estreou na extinta TV Tupi a novela "Aritana". As Músicas: "Indauê-Tupã" com Fafá de Belém e "Nativo" com Paulo André Barata em dueto com Fafá, entram na trilha sonora da novela.

Com a palavra, o Mestre Waldemar Henrique! 

No dia 23/11/1978, a escritora e jornalista Helena Silveira (Foto) fez uma crítica a direção do programa "Rosa e Azul" (O programa era transmitido pela Rede Bandeirantes e era apresentado pelo então casal na época: Antônio Marcos e Débora Duarte). Segue a nota:

"O programa "Rosa e Azul" da ultima terça-feira mostrou maior consistência que alguns dos outros precedentes. Números musicais a serem grifados com o próprio Antônio Marcos dando uma interpretação muito pessoal a "Para dizer adeus" (Francis Hime) e Fafá de Belém cantando "Dentro de mim mora um anjo" (Suely Costa). A coreografia e o conjunto de Ismael Guizer formaram belo visual; mas a direção é que tem que metabolizar mais o programa, procurar acrescentá-lo e não diminuí-lo, como acontece várias vezes. Exemplo de força televisiva malbarata: Fafá de Belém é uma das poucas artistas que sabe interpretar as letras das canções. Enquanto seu rosto, seu corpo se faziam o anjo ou o avesso do anjo-motivo, a câmera ia procurar uma decoraçãozinha pastichando um anjo no inútil cenário. Percorrer Fafá dos cabelos aos pés seria um passeio muito mais significativo que pôr de lado a sua exuberante figura". (Folha Ilustrada - Coluna: Helena Silveira Vê TV - 23/11/1978)

Chegou uma época em que o "decote" chamava mais a atenção do que a cantora. Fafá não achava nada de errado em exibir sua sensualidade, até porque, era da sua cultura. O povo do Norte, por ter uma influência indígena, não tem essa culpa em relação ao corpo, a sensualidade.

Pulinho Lima, seu produtor, era experiente e competente. Mas, essa coisa da mulher, da sensual, da gostosa que emanava tão forte daquela mocinha de 21 anos, acabou afetando o Paulinho também. Era para ele, com sua experiência ter contido aquela pororoca, mas não foi o que aconteceu, muito pelo contrário, ele acabou por estimular. A ordem era: "Ligou a câmera, balança os seios". O primeiro a chamar a atenção de Fafá pelo excesso de exposição e pela forma equivocada da mesma, foi o então namorado Raul Mascarenhas. Mas Fafá não percebia a gravidade de tudo isso, apenas achava engraçado.

No dia 22/12/1978 foi ao ar, pela Rede Globo, o programa "Milton Nascimento Especial". Com direção de Fernando Faro. Fafá de Belém participou do especial cantando em parceria com Beto Guedes, a música "Maria Solidária". Na imagem acima, Milton Nascimento e Tom Jobim em um quadro do especial. Abaixo, as principais notícias sobre a gravação e exibição do programa.

Após as festas de final de ano, Fafá de Belém rumou para Salvador (BA). Começou o ano de 1979 se apresentando no Teatro Castro Alves. O show, que ficou em cartaz de 05 a 10/01/1979, fazia parte dos inúmeros shows que animaram o "Festival de Verão" baiano daquele ano.

Clara Nunes, Alcione e Fafá de Belém. Ganhadoras do "Troféu Radio Globo" na categoria "Destaque da Música" do ano de 1978. 

A Revista Status elege Fafá de Belém a mulher do ano!

Revista Status - Edição 55 - Fevereiro de 1979

Texto: Vinícius de Moraes

Fotos: Marisa Alvarez Lima

Carnaval 1979

No Carnaval de 1979, Fafá desfilou na Escola de Samba "União da Ilha do Governador", era a primeira vez que ela desfilava em uma Escola de Samba do Rio de Janeiro. Fafá conta que o vestido usado no desfile era muito justo e só depois de se vestir é que as borboletas foram coladas com cola instantânea. Resultado: ela levou quase uma semana para se livrar da fantasia! Abaixo, as principais notícias das ferveções da cantora, tanto nos bailes, quanto na avenida.

Assista a um pequeno trecho de Fafá na avenida: 

No dia 02/03/1979 a atração da "Sexta Super", Rede Globo de Televisão, foi o "Especial Dorival Caymmi". Fafá de Belém foi uma das convidadas e cantou "Peguei um Ita no Norte" (Veja vídeo abaixo). Fafá daria uma versão definitiva à referida canção, em 1993, no "Songbook Dorival Caymmi" - Volume 4.

Imprensa

A grande preocupação do Sr. Joaquim quando sua filha veio para o Rio de Janeiro, é que ele sabia que ela possuía duas características bastante perigosas: a alma livre e o coração ingênuo. Uma combinação que poderia ser, e foi, fatal.

O fato da imprensa começar a pegar no pé da cantora por conta do decote, não era pelo decote em si, mas sim por um fator: a exibição da sua sensualidade, para Fafá, era algo natural, não percebia que estava sendo manipulada. Quem estava a sua volta, usava da sua sensualidade simplesmente para a expor.

A cantora vivia uma espécie de "crise de estrela" e por conta disso, sem perceber, abrira mão de uma ferramenta essencial a qualquer profissional de sucesso: a disciplina. Sem disciplina, não há foco. Anos mais tarde, a própria Fafá admitiu que fazia seus shows pensando em qual balada iria a seguir. Ou seja, só o corpo estava no palco, faltava a artista.

O namorado Raul Mascarenhas a chamou atenção para isso, mas a ingenuidade da cantora não registrava a manipulação. Além disso, a fama meteórica, as drogas e as baladas, tudo em excesso, fizeram com que a artista perdesse o foco. Foi aí que a mulher tomou a frente da cantora, foi aí que a estrutura começou a rachar, como veremos adiante.

No dia 22/03/1979, Fafá de Belém estreou, no Teatro Clara Nunes, na cidade do Rio de Janeiro, o show "Banho de Cheiro". O show deveria ficar em cartaz até o dia 13/04/1979, mas devidos a fatores internos que afetaram a saúde da cantora, o espetáculo, que foi negativamente avaliado pela crítica, foi prematuramente cancelado no dia 08/04/1979, como veremos mais adiante.

Imprensa/Crítica

Foi a partir da estreia do Show "Banho de Cheiro" que Fafá começou a perceber que algumas coisas estavam fora da ordem. A cantora havia tirado umas fotos pessoais, para seu arquivo. Nessas fotos ela estava pra lá de sensual e em algumas estava seminua. Pois bem, sem consultar a artista, sua produção utilizou uma dessas fotos para ilustrar o programa do espetáculo. Quando ela foi ver, o programa já estava na mão do público, não havia mais como impedir. Esse fato a deixou muito irritada.

Após a estreia do espetáculo, naturalmente vieram as críticas. Tanto a crítica da jornalista Ana Maria Bahiana (O Globo) quanto a de Maria Helena Dutra (Jornal do Brasil), exaltam o talento da cantora, ao tempo que questionam a falta de qualidade do show. Ao ler tais críticas Fafá, caiu na real.

Enquanto rolava a última temporada da turnê "Banho de Cheiro", Fafá e Paulinho Lima já elaboravam o repertório do próximo disco. A cantora queria que seu próximo trabalho fosse lançado no mês de junho de 1979. Mas Fafá não estava feliz com os rumos que sua carreira estava tomando, nem com sua produção. Conforme relatou em uma entrevista concedida a Ciléa Gropillo (Jornal do Brasil) em 22/10/1980: ".... Eu estava péssima com isso e ao chegar em casa, o Raul (Mascarenhas) me informou que parecia haver buracos na contabilidade." Por conta do sistema nervoso abalado começou a sentir uma forte dor na coluna, (que devido a uma queda sofrida dias atrás, já estava dolorida) mas nesse caso se agravou por conta do sistema nervoso que estava prestes a explodir. O que aconteceu naquele 08/04/1979, a própria cantora narrou em uma carta que enviou ao jornal "O Globo". (Veja na galeria abaixo).

Fafá encerrou a sua turnê, foi hospitalizada por conta das fortes dores na coluna e depois foi passar uns dias em sua casa em Teresópolis (RJ).

Na mesma entrevista cedida a jornalista Ciléa Gropillo para o Jornal do Brasil em 22/10/1980, Fafá explicou melhor os bastidores do trágico final de "Banho de Cheiro":

"Eu não estava preparada para o outro lado do sucesso. De repente, senti que estava sendo usada pelas pessoas em que confiava. Aquele show me abriu os olhos. Me agrediu ver fotos em que eu aparecia seminua em um programa de teatro. Parecia coisa de quinta categoria. Foi então que me dei conta de que algo estava errado. Meu trabalho era importante, mas não o mais importante. Eu estava deixando me levar, vivendo uma "crise de estrela". Esqueci o chão, mergulhei de cabeça e me atolei.

Minha cabeça rodou, meu estado emocional era tal, que tive que parar. Não foram as vaias que me levaram a interrompe-lo e sim a sensação de estar fazendo um espetáculo idiota". (Fafá de Belém)

Após esses acontecimentos, Fafá rompe com Paulinho Lima, cancela a Turnê "Banho de Cheiro" e após receber alta médica, viaja para seu sítio em Teresópolis, precisava descansar sua imagem, pôr os pés no chão e redefinir o rumo que queria dar em sua carreia. "Banho de Cheiro" deu a Fafá uma grande e valiosa oportunidade; a de escolher se queria ser artista ou celebridade. Para nossa alegria, ela escolheu a primeira opção. Ficou no sítio por um período de dois meses ouvindo músicas para compor o seu novo disco "Estrela Radiante". E assim, finalizamos o período "Banho de Cheiro".

Texto Narrativo: Claudinei Sampaio

Seja um fã colaborador! Você tem uma matéria deste período e não está aqui? Faça um Scanner da matéria e envie para: contato@fafadebelemarquivo.com.br com o assunto: Material 1978 Seu nome será citado como doador(a) do material.  

Voltar ao Topo - Início - Anos 1970 - Trajetória