"Fafá 89" (1989/91) - Fatos&Fotos

Mesmo com a reação negativa da crítica especializada, mesmo com o afastamento de pessoas que lhe eram especiais, Fafá estava decidida a ir em frente com sua opção pelo popular. Foi uma opção honesta, uma necessidade sua de chegar mais próximo do grande público, como de fato chegou.

Quanto a crítica especializada, qual seria a sua real importância? Até que ponto a visão dessa crítica era efetivamente verdadeira? Artistas como Ângela Maria, Cauby Peixoto, Maysa, entre tantos outros que hoje são exaltadas por essa crítica, entre meados dos anos 70 até o início dos anos 90 foram, injustamente, desprezados por ela. Fafá não cederia, muito pelo contrário, os desafiaria ainda mais.

Talvez o leitor do século 21, não consiga entender claramente o porquê desse desprezo que alguns setores da imprensa dispensavam a música romântica, chamada na época de "brega". Para compreender, necessário se faz voltar um pouco no tempo, mais precisamente no surgimento da bossa nova, como explica a pesquisadora Silvia Oliveira Cardoso em matéria escrita para o site da Secretaria de Cultura do Rio de Janeiro em 21/02/2014:

"As canções românticas sempre tiveram um espaço de destaque na música brasileira. Nos anos 1950, sambas-canções, boleros e baladas faziam muito sucesso com letras que contavam histórias de amores frustrados, solidão e traição, interpretadas com intensa dramaticidade por cantores e cantoras do rádio. No entanto, o surgimento da bossa nova no final da década de 50 modificou radicalmente os parâmetros de qualidade musical, estabelecendo uma oposição entre estilo romântico e qualidade musical (Trotta, 2006). O projeto da bossa nova buscava uma economia e depuração sonora que eliminasse alguns excessos na canção, particularmente o excesso passional que tomara conta da música popular nos anos 1950 (Tatit, 2008).

O gesto de contenção desse novo movimento dava à música popular brasileira uma roupagem moderna que influenciaria fortemente a MPB nos anos 1960. Os parâmetros de qualidade musical que surgem neste processo tornavam-se incontestáveis entre a crítica favorável à modernização da música brasileira. Araújo afirma que, para esta "vertente interpretativa" da música, o repertório "brega" estaria mais associado ao "atraso" e à "pobreza". Por outro lado, a "vertente interpretativa" que forja uma valorização da "tradição" da música popular, geralmente exaltando o samba de morro, estaria longe de considerar "autêntico" e "de raiz" o cancioneiro "brega". Para o autor, uma vasta produção musical popular que "não está identificada nem à "tradição" nem à "modernidade" encontra sérias dificuldades para obter reconhecimento da crítica ou espaço na historiografia" (Paulo César Araújo, 2005: 344). Na década de 70, a crítica especializada, de maneira geral, atribuía às canções e aos artistas "românticos" valores negativos e os associavam ao mau gosto, à cafonice.

Nos anos 1970, a música "popular romântica", seus artistas e até mesmo seu público eram pejorativamente chamados pela crítica de "cafona", que, segundo o Dicionário etimológico da língua portuguesa, seria um termo de origem italiana (cafoné) que teria significado semelhante a "indivíduo humilde, vilão, tolo". A partir da década de 1980, seriam tachados como "brega", outra categoria jocosa que de acordo com a Enciclopédia da música brasileira designaria (...) coisa barata, descuidada ou malfeita; de mau gosto, sinônimo de "cafona" ou kitsch; a música mais banal, óbvia, direta, sentimental e rotineira possível, que não foge ao uso sem criatividade de clichês musicais ou literários.

A visão de mundo dos críticos, seus gostos musicais e os critérios de qualidade musical precisam ser evidenciados e contextualizados para não parecerem "naturais", como se não fossem ideias e práticas construídas em meio a tensões e embates sobre o poder de representar o passado, o presente e pensar o futuro. " (Silvia Oliveira Cardoso é mestre em Comunicação Social pela Universidade Federal Fluminense (UFF/PPGCOM). Para ler a matéria em sua integra, acesse: https://www.cultura.rj.gov.br/artigos/cafona-brega-e-de-mau-gosto-musica-e-critica-nos-anos-1970 ).

Fafá estava mais que decidida a não ficar presa a conceitos e preconceitos criados por críticos e afins. Como cantora, como artista, como mulher, queria apenas cantar e encantar o seu público. Portanto, a despeito do que a crítica especializada andava dizendo sobre seu trabalho, seguiria no caminho escolhido.


Em 1989, a lambada foi o ritmo do verão europeu, mais especificamente na França. A gravadora "Som Livre" lançou, naquele país, o disco "Spécial Brésil - Lambadas" com Fafá cantando as Lambadas I, II e III gravadas pela cantora nos anos de 1985, 86 e 87 respectivamente. 


No dia 14/08/1989, estreou na Rede Globo de Televisão, no horário das 20hrs. A novela "Tieta". Para compor a trilha sonora da novela, o produtor Mariozinho Rocha encomendou nove músicas especialmente para o folhetim (Veja matéria do jornal "O Globo" no final do bloco). Entre as músicas encomendadas estava o tema da protagonista, Tieta, vivida pela atriz Betty Faria (Foto de Fundo). A música era "Coração do Agreste" (Moacyr Luz/Aldir Blanc) e a interprete escolhida foi Fafá. "Coração do Agreste" foi um dos maiores sucessos no segundo semestre de 1989. A princípio a gravação de Fafá seria exclusivamente para a trilha da novela, porém, Fafá se encantou tanto com a canção que fez uma negociação e conseguiu incluí-la no seu novo disco "Fafá 89" que foi lançado em dezembro daquele ano. Abaixo, dois momentos de Fafá cantando "Coração do Agreste" no "Globo de Ouro" e em um clipe gravado na cidade cenográfica da novela, feito especialmente para o "Fantástico", ambos na Rede Globo.

Imprensa

No final do mês de outubro de 1989, chegava às lojas o novo disco de Nelson Gonçalves: "Auto Retrato" o 116º de sua carreira. Fafá de Belém que em 1984 já havia participado em um outro disco do cantor, novamente foi convidada para fazer uma nova participação, já que Fafá era uma das cantoras favoritas do velho boêmio, como ele mesmo declarou. Nesse novo trabalho, cantaram "Falando de Amor" (Tom Jobim). 

Ouça:

No final da primeira quinzena de novembro de 1989, começam os trabalhos de divulgação do disco "Fafá 89", que chegaria às lojas em dezembro. A música "Amor Cigano"(Michael Sullivan/Paulo Massadas) foi a musica de divulgação. Em poucos dias,  já era umas das músicas mais tocadas nas rádios de todo o país. 

Sob a direção de José Mário foi gravado a vídeo clipe de "Amor Cigano", que foi ao ar no dia 07/01/1990 no programa "Fantástico" (Rede Globo). Assista: 

Na primeira quinzena do mês de dezembro de 1989, chegava às lojas "Fafá 89", 12º disco de carreira de Fafá de Belém e o seu primeiro pela BMG/Ariola. Se o disco "Água", lançado em 1977, foi o melhor disco de Fafá em sua faze MPB/Regional; "Fafá 89" foi sem sombras de duvidas o melhor disco de sua faze popular. Arranjos muito bem elaborados por Julinho Teixeira e Ary Sperling. O Sax de Zé Carlos foi um show à parte. Músicas românticas sim, mas de "brega", como diziam alguns, o disco não tinha nada!

O grande "escândalo" do disco foi o fato de Fafá ter gravado uma música sertaneja e com participação da dupla Chitãozinho e Xororó. Você que nasceu, ou era criança nos anos 80, talvez não consiga entender aonde está o "escândalo", mas para a época, Fafá foi de uma ousadia sem precedentes. Não só a crítica, mas fãs também ficaram escandalizados, inclusive este que vos fala. O bom é que o tempo cura doenças como a mediocridade, por exemplo. Hoje estou curado.

Mas Fafá estava plena em sua voz e interpretação e o público soube reconhecer isso, afinal, o disco vendeu mais de 500 mil cópias. Nada menos que cinco de suas músicas foram apresentadas no formato vídeo clipe no programa "Fantástico" (Rede Globo). Ganhou vários prêmios, só para citar alguns: "Amor Cigano" ganhou disco de ouro em Portugal, "Coração do Agreste" o "Prêmio Sharp de Música" como a melhor canção popular do ano de 1989, "Nuvem de Lágrimas" recebeu o "Troféu Imprensa" na categoria melhor música de 1990 e Fafá ganhou também o "Troféu Rádio Globo" de "Melhor cantora do ano de 1990". Com esse disco, Fafá reinou absoluta no panorama musical brasileiro da época, para desespero da "crítica especializada"...

"Fafá 89" - Capa

"Fafá 89" - Contracapa 

"Fafá 89" - Músicas, Músicos e Ficha Técnica


Músicas:

"Amor Cigano" (Michael Sullivan/Paulo Massadas) - Arranjo, Regência, Programação de Computador e Teclados: Julinho Teixeira

"Será" (Marcos Valle/Carlos Colla) - Arranjo, Regência, Programação de Computador e Teclados: Julinho Teixeira

"Nuvem de Lágrimas" (Paulo Debétio/Paulinho Rezende) - Arranjo, Regência, Programação de Computador e Teclados: Julinho Teixeira

"Volta Logo" (Ed Wilson/Fafá de Belém) - Arranjo, Regência, Programação de Computador e Teclados: Julinho Teixeira

"Só Pra Te Ver Feliz" (José Augusto/Paulo Sérgio Valle) - Arranjo, Regência, Programação de Computador e Teclados: Julinho Teixeira

"Chorando Se Foi" (Llorando se Fue) - (Ulisses Hermosa Gonzales - Versão: Marcia Ferreira/José Ari) - Arranjo, Regência, Programação de Computador e Teclados: Ary Sperling

"Coração do Agreste" (Moacyr Luz/Aldir Blanc) Arranjo, Regência, Programação de Computador e Teclados: Julinho Teixeira

"Coisas Mais Loucas" (Michael Sullivan/Paulo Massadas) - Arranjo, Regência, Programação de Computador e Teclados: Ary Sperling

"Conversa Bonita" (Chico Roque/Paulo Sérgio Valle) - Arranjo, Regência, Programação de Computador e Teclados: Ary Sperling

"Eu Preciso de Você na Minha Vida" (Marcos Valle/Carlos Colla) - Arranjo, Regência, Programação de Computador e Teclados: Julinho Teixeira

"Ninguém Vive Sem Amor" (Almir bezerra) - Arranjo, Regência, Programação de Computador e Teclados: Julinho Teixeira

"Nova Delhi" (Paulinho de Camafeu) - Arranjo e Regência: Ivan Paulo.

Músicos:

Guitarra e Violão: Paulinho Ferreira e Zé Menezes / Baixo: Paulo César / Bateria: Picolé / Sax: Zé Carlos e Milton Guedes / Acordeon: Severo / Percussão: Cidinho / Gaita: Milton Guedes / Teclados: Totinha / Zabumba: Gordinho/ Percussão em "Nova Delhi": Carlinhos Brawn / Coro: Ronaldo Correa, Roberto Correa, Renato Correa, Mário Correa, Renata Moraes, Solange, Nina e Viviane.


Ficha Técnica:

Foto Fundo: Milton Montenegro

Mal fora lançada e "Amor Cigano" já estava entre as músicas mais pedidas nas rádios de todo o país. As mais pedidas tinham destino certo, o programa "Globo de Ouro", exibido na Rede Globo de Televisão.

A explosão do popular gerando debates, teses, praguejamentos e inconformismo...

Fafá fazendo a divulgação do seu novo disco no programa "Silvio Santos" (SBT). O vídeo não está completo, pois Fafá entrou em cena cantando "Amor Cigano". Mas o melhor é a marchinha de carnaval que o Silvio Santos gravou em homenagem a cantora, hilário! Assista:

No final de janeiro de 1990 Fafá foi para Portugal. Na ocasião, lançou seu disco e animou o carnaval do Cassino Estoril. Antes de ir, concedeu uma entrevista para a Revista "Amiga" (Entrevistada por: Cláudia Lopes/ Fotos: Izi Bereanu), que foi publicada na edição de número 1.048 em 16/02/1990:

Já em terras lusitanas, participou do programa "Um, Dois Três", concedeu entrevistas, entre elas, uma para a revista "Nova Gente" (Leia abaixo). Animou o carnaval do cassino e aproveitou para tirar umas pequenas férias pela Europa. 

No dia 02/04/1990, estreou pela Rede Globo de Televisão a novela das 20hs "Rainha da Sucata". Além da trilha sonora Nacional e internacional, a novela contava com uma trilha complementar com o título "Lambateria Sucata" - nome da casa de shows de Maria do Carmo (Regina Duarte) -, que trazia hits de lambada, como "Conversa Bonita", gravada por Fafá de Belém, cujo vídeo clipe foi ao ar no "Fantástico em 25/03/1990. Assista a uma apresentação da referida música no "Show da Xuxa:

Do seu lançamento, em dezembro de 1989 até o mês de março de 1990, "Fafá 89" ficou entre os 10 mais vendidos. Em abril já estava entre os 03. Em maio de 1990 alcançou o primeiro lugar em vendas.

Paradão Popular - A música que o povo gosta!

Se desejar ouvir a música e acompanhar a letra, aperte o play do vídeo, em seguida, clique na imagem e pronto.

Entre os dias 31/05 a 10/06/1990. Fafá se apresentou no "Teatro Suam" (Bairro Bonsucesso - Rio de Janeiro). A diretoria do teatro aproveitou a ocasião e descerrou uma placa no teatro, informando que Fafá era a recordista de público na casa. Veja abaixo a repercussão da mídia carioca a respeito do show:

Na primeira quinzena do mês de junho de 1990, chegava às lojas o novo disco do grupo infantil "Trem da Alegria". No repertório, a música "Saudade de Portugal", que contou com a participação especial do apresentador Gugu Liberato. "Saudade de Portugal" brinca com o ritmo do "vira".  A composição da música é de Fafá de Belém em parceria com Ed Wilson. Ouça:

Em meados de junho de 1990, Fafá voltava para o estúdio. O disco "Fafá 89" teria sua versão em espanhol, um sonho da cantora, o de entrar no disputado mercado latino. Por uma questão de agenda, o disco só foi finalizado em janeiro de 1991. A imprensa divulgou bastante, inclusive o programa "Vídeo Show" fez uma longa matéria a respeito. Mas, não saberia aqui informar o porquê, esse disco nunca chegou às lojas.

No dia 08/07/1990, Fafá marcou presença no programa "Fantástico" (Rede Globo), quando foi exibido o vídeo clipe da música "Nuvem de Lágrimas" (Paulo Debétio/Paulinho Rezende) A direção do vídeo é de José Mário. Assista:

Em agosto de 1990, "Fafá 89" ganhou o disco de ouro em Portugal. Fafá aproveitou a ocasião e foi para lá receber seu prêmio e fazer alguns shows nas terras do além-mar, estendendo sua viagem até a Espanha. Enquanto isso, aqui no Brasil, "Coração do Agreste" ganhava, na categoria popular, o "Prêmio Sharp" de melhor música do ano de 1989.

Ao voltar de Portugal, um fato deixou Fafá muito irritada. A música "Nuvem de Lágrimas" estava tocando em todas as FMs populares do Rio e de São Paulo, porém, as rádios colocavam a versão em que só Fafá cantava. Isso mesmo, as rádios estavam boicotando a dupla Chitãozinho e Xororó. Fafá imediatamente ligou para o comercial da gravadora para saber o porquê disso. Informaram que as FMs não queriam a voz dos sertanejos, por considera-los artistas "tipo B" e que também se tocasse a música com os dois, ficaria muito longa. Fafá foi taxativa: "Pois que não toquem! O disco tem 12 faixas, escolham outra. Eles (Chitãozinho e Xororó) tem grande importância na nossa música. Outra coisa, você acha que sou oportunista?" Imediatamente a versão original começou a tocar, e o sucesso foi ainda maior.

Embora "Nuvem de Lágrimas" tenha sido um dos maiores sucessos do ano, há uma curiosidade: não há qualquer registro de Fafá e a dupla Chitãozinho e Xororó cantando juntos (Pelo menos eu nunca vi). Por conta disso, o DJ Andy Rick fez o vídeo abaixo, onde simula Fafá e a dupla cantando Juntos. Ao lado, outro momento de Fafá no "Xou da Xuxa".

No dia 20/08/1990, estreou no horário das 18hs, pela Rede Globo de Televisão, a novela "Barriga de Aluguel". A Música "Nuvem de Lágrimas", gravada por Fafá de Belém com participação especial de Chitãozinho e Xororó, fez parte da trilha do folhetim e era o tema do personagem João, o caminhoneiro vivido pelo ator Humberto Martins. Ouça: 

No dia 09/09/1990, Fafá novamente no "Fantástico" (Rede Globo), com o clipe da melhor música do disco (Fafá está ótima na interpretação e o Sax do Zé Carlos é o "tiro de misericórdia"), a música que até hoje ouço como se estivesse acabado de lançar, da música que quando vou aos shows dela, rezo para que ela cante (mas ela não canta rs). "Será" (Marcos Valle/Carlos Colla). A qualidade do vídeo não é muito boa, mas, tá valendo:

Entre o final de outubro e o início de novembro, Fafá fez dois shows em São Paulo. No dia 26/10 se apresentou no "Clube Pinheiros" e nos dias 03 e 04/11/1990 no extinto "Olympia".

Foi em novembro de 1990, que começou a correr um forte boato, principalmente na região Norte e Nordeste do país, que Fafá estaria doente. Diziam que ela estava com uma doença grave no estômago e que seu tempo de vida estava contado. Foi uma loucura. Os fãs, desesperados, ligavam para o seu escritório dizendo que estavam fazendo novenas. A coisa foi tão séria, que rádios faziam homenagens a cantora em suas programações. Fafá que estava fora do país nesse período, levou um susto quando sua mãe, D. Eneida lhe telefonou desesperada. O boato só perdeu força quando chegou ao Rio de Janeiro, pois foi quando os colunistas de jornais e revistas foram checar a veracidade do caso e após constatarem que se tratava de um boato, rapidamente deram um jeito em desmenti-lo.

Entre os dias 29/11 a 02/12/1990, Fafá foi a atração do "Alameda 555", na cidade de Niterói (RJ).

"Nuvem de Lágrimas", gravada por Fafá de Belém com participação especial de Chitãozinho e Xororó, ganhou o "Troféu Imprensa 1991" na categoria "Melhor Música" do ano de 1990. Fafá também  concorreu ao prêmio de Melhor Cantora ao lado de Sandra de Sá e Marina Lima. Sandra de Sá foi a ganhadora.

Em fevereiro de 1991, chegava às lojas o disco "Michael Sullivan e Paulo Massadas Ao Vivo". Fafá de Belém participou da trilha com a música "Dê Uma Chance ao Coração", música esta, que incluiria em "Doces Palavras", seu próximo disco. Ouça:

No dia 11/03/1991, aconteceu no "Imperator" (RJ) a festa de entrega do "Troféu Rádio Globo". Fafá foi eleita a melhor cantora e a música "Amor Cigano"(Michael Sullivan/Paulo Massadas) ganhou o prêmio de melhor música do ano de 1990. Noite gloriosa para Fafá de Belém.

E após os festejos juninos, Fafá começaria a produção de seu próximo disco. Portanto, terminamos aqui o período "Fafá 89".

A cantora que quando gravou "Grandes Amores", em 1987, ouviu comentários do tipo: que gravar um disco "tão brega" seria o "fim de sua carreira"; chegava ao ápice. "Fafá 89" foi um disco premiado não só no Brasil, mas também internacionalmente (Portugal). Teve três músicas nas trilhas de novelas: "Coração do Agreste" (Tieta), "Conversa Bonita" (Rainha da Sucata" e "Nuvem de Lágrimas" (Barriga de Aluguel). Sentiu a alegria de ver três músicas merecidamente premiadas: "Coração do Agreste" (Prêmio Sharp de Música), "Nuvem de Lágrimas" (Troféu Imprensa) e "Amor Cigano" (Troféu Rádio Globo). Faturou também o prêmio e o título de melhor cantora. Além disso, foram 90 semanas na lista dos 100 mais vendidos e ultrapassou a marca de 500 mil cópias vendidas.

"Fafá 89" quebrou conceitos e preconceitos, colocou a música sertaneja nas FMs e nos meios que relutavam em aceitar tal gênero musical. Boa parte da crítica começava a compreender que música romântica, quando bem construída em seus arranjos e devidamente interpretada, também é música boa.

Tudo o que a cantora, a artista Fafá de Belém queria, era valer os versos de Fernando Brant: "Todo artista tem de ir aonde o povo está". E Fafá foi, e o povo a acolheu como há muito uma cantora não era. E foi com essa certeza, a de que havia escolhido de forma correta o seu caminho, que Fafá começou a produção de "Doces Palavras".

E para encerrar, a música que não tocou, mas é boa! "Nova Delhi" (Paulino de Camafeu):


Texto Narrativo: Claudinei Sampaio

Seja um fã colaborador! Você tem uma matéria deste período e não está aqui? Faça um Scanner da matéria e envie para: contato@fafadebelemarquivo.com.br com o assunto "Material 1989". Seu nome será citado como doador(a) do material.

Voltar ao Topo - Início - Anos 1980 - Trajetória