"Nasce a Estrela" - 1975 - Fatos&Fotos

O ano de 1975 começou com Fafá de Belém se apresentando no "Festival de Verão da Bahia" com o compositor e cantor Sergio Ricardo, no teatro Vila Velha em Salvador. Foi nessa época que Fafá conheceu o compositor Eládio Gomes Santos, também conhecido como "Baianinho". Baianinho iria participar do "Festival Abertura", cujas eliminatórias ocorreriam no mês de janeiro, na cidade de São Paulo. O compositor convidou Fafá para defender, em parceria com o cantor Baiafro, a sua composição, cujo título era: "Zueira". Na noite do dia 28/01/1975, no palco do Teatro Municipal de São Paulo, ocorreu a última eliminatória do festival, que teve transmissão ao vivo pela Rede Globo. A música defendida por Fafá foi desclassificada e a cantora voltou para Salvador, onde o "Festival de Verão da Bahia" ainda animava a capital baiana.

Detalhes relevantes: 

Na nota publicada pelo jornal "O Globo" do dia 28/12/1974, foi a primeira vez que o nome Fafá de Belém apareceu em um jornal de circulação nacional. 

A transmissão da 4ª eliminatória do "Festival Abertura 1975", exibido pela Rede Globo de Televisão", aconteceu no dia 28/01/1975, era a primeira vez que Fafá de Belém aparecia em um programa de TV em rede nacional.

Imprensa:

No Rio de Janeiro, a Rede Globo que nesse ano comemoraria 10 anos de existência e 5 anos de liderança, define que a próxima novela será "Gabriela", escrita por Walter George Durst, adaptada do romance "Gabriela, Cravo e Canela", de Jorge Amado, e que seria dirigida por Walter Avancini e Gonzaga Blota. Seria a primeira telenovela em cores na TV brasileira. A data da estréia seria em 14 de abril daquele ano e a trilha sonora seria feita exclusivamente para a novela.
Para gravar "Filho da Bahia" o produtor do disco Guto Graça Mello designou a cantora Maria Creusa. Roberto Santana, o descobridor de Fafá ainda em Belém, era um dos assistentes de produção do disco. O disco tinha dia e hora para ser entregue pronto! Porém, Maria Creusa adoece, vítima de uma grave crise renal.

Os dias passam e nada de melhora, a data limite se aproxima e a produção enlouquece. Roberto Santana então sugere que substitua Maria Creusa por Fafá. "Fafá? Que Fafá?" pergunta Guto para Roberto Santana, que responde: "A Fafá de Belém que eu já te falei a respeito!". A produção concorda e Fafá, agora Fafá de Belém, vem para o Rio. Ao chegar, Roberto Santana lhe entrega a fita e a letra da música para ela decorar. Fafá pergunta para Roberto quando será a gravação e engole seco com a resposta: "Amanhã pela manhã!". Só tinha uma noite para dar vida a "Filho da Bahia". Bom, ela já tinha tido a experiência de entrar em um estúdio, em 1972 havia gravado a música "Grilo na Cuca" (Itamar de Freitas) para a trilha do filme "Como é boa nossa empregada".

No mês de Abril de 1975, estreou pela Rede Globo de Televisão a novela "Gabriela". A trilha sonora da novela foi lançada em maio. No disco, o prmeiro grande sucesso da cantora Fafá de Belém "Filho da Bahia" composta por Walter Queirós.

Logo após sua gravação de "Filho da Bahia", Fafá recebe um outro convite. Naquele ano o programa "Fantástico" que era transmitido parcialmente em cores iria começar a ser exibido totalmente colorido. A produção queria fazer algo que estivesse relacionado com o novo, com mudanças. O diretor do programa na época, Nilton Travesso, tem então uma ideia: o de colocar um novo artista cantando um clássico da nossa música e Nilton escolhe a nova artista: Fafá de Belém para cantar um clássico da nossa música: "Mulher Rendeira" (Alfredo Ricardo do Nascimento (Zé do Norte). Fafá grava o clipe que vai ao ar no primeiro "Fantástico" 100% em cores. O clipe não está disponível na rede, mas, temos umas fotos para nos consolar.

Dias depois da estreia de "Gabriela" acontece a primeira grande emoção da menina de Belém: Fafá estava em um táxi e o rádio do veículo sintonizado na rádio globo, em que se ouvia o programa do saudoso Haroldo de Andrade e o famoso "Paradão do Haroldo" em que tocava as músicas mais pedidas pelo público. De repente a voz grave do Haroldo anuncia: "E a música mais pedida na semana é de uma nova cantora que aparece em nosso cenário musical, nova, mas muito talentosa! Ela é Fafá de Belém e a música campeã da semana é "Filho da Bahia" da trilha da novela Gabriela". A música começa a tocar e Fafá solta um grito e abraçando o taxista não para de gritar: "Sou eu moço!!!! Quem está cantando na rádio sou eu!!!!" "Filho da Bahia" já era um sucesso nacional, mas muitos achavam que quem cantava a música era a Gal Costa! Dias depois, Fafá vai aos estúdios da Globo para filmar o clipe de "Filho da Bahia" que seria exibido pelo "Fantástico", finalmente o Brasil conhecia Fafá de Belém e constatar que era daquela menina, e não Gal Costa, a voz deste grande sucesso.

O clipe foi exibido no domingo no "Fantástico". Na segunda-feira pela manhã, Fafá foi até a padaria, que ia todas as manhãs, comprar pão. Ao entrar no estabelecimento, alguém lhe perguntou: "Ei, você é a Fafá de Belém? ". Fafá arregala os olhos aterrorizada, diz que não é a cantora e sai correndo para casa. Assustada, compreende que a partir daquele momento ela perderia o bem que mais prezava, a privacidade. Chorou muito com essa contatação.


"Fafá de Belém - Dentro do LP com a trilha da novela "Gabriela", há uma grande revelação: Fafá de Belém. Esta moça, que por alguns momentos lembra Gal Costa, mostra-se com uma personalidade pouco comum a cantores que se iniciam. É muito hábil como interprete e domina o tema com muita segurança. Em "Filho da Bahia" de Walter Queirós, não se consegue prestar atenção na letra tal é o magnetismo interpretativo de Fafá. É uma nova grande cantora essa moça!" ( Folha de São Paulo - Ilustrada - 09/06/1975)

"O LP mais vendido - A incrível força da televisão desta vez foi muito bem usada. Em face da enorme execução das músicas da novela "Gabriela", não só o livro de Jorge Amado é o mais vendido, como o disco lançado pela "SIGLA". Um disco de muito bom gosto, onde pontificam temas de grande beleza, alem de revelar uma ótima interprete popular, a novata Fafá de Belém".
(Folha de São Paulo - Coluna: Música Popular Brasileira do colunista Walter Silva - 07/07/1975)

Veja um trecho deste de "Filho da Bahia" exibido no programa "Fantástico" da rede Globo de Televisão no ano de 1975 vídeo: 

Foi um começo complicado. Fafá morava em um apartamento no bairro de Laranjeiras, no Rio. Detalhe: o prédio não tinha moradores, nem água, nem luz, nem gaz. Após seu clip sair no "Fantástico", Fafá precisou mudar a sua rotina. Para ir a praia, não podia ir de ônibus por conta do assédio, não tinha dinheiro para táxi e ai, o jeito era ir a pé de Laranjeiras até Ipanema. 

Mas, provavelmente a maior dificuldade enfrentada por Fafá nessa época, era a de ler em revistas e jornais, notas que lhe feriam a alma. Pelo fato de ter aparecido nacionalmente em uma trilha sonora de uma novela global, algumas notas diziam que Fafá era uma cantora "fabricada" pela Rede Globo. Outras diziam que se tratava de uma alienada ou que seria "apenas uma seguidora de Gal Costa". Percebeu assim, logo nos primeiros passos que, se quisesse ser grande, teria que quebrar muitas muralhas, vencer infinitos obstáculos externos e internos.

Fafá de Belém no programa "Globo de Ouro" em 1975 cantando o já sucesso nacional: "Filho da Bahia".
Assista ao vídeo:

Era um fenômeno, afinal, Fafá de Belém já era sucesso nacional sem ter um disco lançado, sem ter um show em cartaz. Aquelas coisas loucas que só acontecem com os predestinados, e Fafá de Belém estava predestinada ao sucesso.   

Nesse mesmo ano assina contrato com a gravadora Polydor, um selo da Polygram, e grava um compacto simples com músicas de Caetano Veloso "Naturalmente", feita em parceria com João Donato e "Êmoriô", de Gilberto Gil também em parceria com João Donato. 

No dia 29 de Setembro de 1975, Fafá de Belém, com a direção de Flávio Cavalcante, estreou uma temporada, que era para ser de de 20 dias no espaço "Preto 22" no Rio de Janeiro, mas fez tanto sucesso que se estendeu até Dezembro. Foi amplamente anunciada no Jornal "O Globo" e também na coluna de Nelson Motta. Além do sucesso "Filho da Bahia" e as musicas do seu novo compacto, Fafá cantava, entre outras pérolas da MPB, "Gota D'água" de Chico Buarque. 

A atriz Sonia Braga, o fotógrafo Antônio Guerreiro e a cantora Fafá de Belém. - 1975

No dia 09 de Novembro de 1975, Fafá de Belém participou de um quadro no "Fantástico" onde canta a música de Milton Nascimento "Canção do Sal". O tema era sobre as pessoas que trabalham no Brasil. 

Imprensa

Compacto Simples lançado pela Polydor em Novembro de 1975.
Faixas:
Lado A; "Êmoriô" (João Donato e Gilberto Gil)
Lado B: "Naturalmente" (João Donato e Caetano Veloso) 

Ouça:

"Êmoriô"

"Naturalmente"

"Êmoriô" (Remix 2017)

"Êmoriô" cai no gosto do público e Fafá de Belém, a menina que gostava de cantar mas queria ser psicóloga, termina o ano de 1975 como a grande revelação da música brasileira.  

Compacto "Mistura Legal" com sucessos de Fafá de Belém e Rita Lee.

Revista "Romãntica" - Novembro de 1975. Matéria de Jorge Segundo, Fotos de Calos Mesquita

No disco "Minas" de Milton Nascimento, Fafá de Belém tem uma participação especial, fazendo vocalise na música "Gran Circo" (Milton Nascimento/Márcio Borges). Ouça:

E assim, conquistando o seu espaço, Fafá de Belém encerra o ano de 1975, que para ela foi muito positivo, considerando o fato de ser uma cantora iniciante. Fafá termina o ano sendo um nome conhecido em todo o país, tendo gravado apenas uma musica para uma novela e um compacto simples. Conspirações do universo? Que venha 1976!

Texto narrativo: Claudinei Sampaio

Seja um fã colaborador! Você tem uma matéria deste período e não está aqui? Faça um Scanner da matéria e envie para: contato@fafadebelemarquivo.com.br com o assunto: Material 1975. Seu nome será citado como doador(a) do material.